Numa das minhas pesquisas pela net encontrei uma casa que me pareceu familiar. Como antiga aluna e ex-colaboradora acho que reconheço facilmente o traço do mestre e qual não foi o meu espanto ao confirmar, num livro cá de casa, de que se tratava realmente de um projecto do arquitecto Manuel Tainha.
Construída e projectada nos anos 70 a “Casa Martins dos Santos” em Cascais, encontra-se neste momento à venda. Com cinco quartos, quatro casas de banho, áreas interiores espaçosas e uma piscina, esta pode ser a casa de sonho de alguém (eu não me importava nadinha de me mudar para lá!!)


In one of my internet research I found a house that looked familiar. As a former student and former collaborator I think I can easily recognize the trace of the master and which was not my amazement to confirm, in a book here at home, that it was actually a project of one of the most important architect in Portugal, Manuel Tainha.
Built and designed in the 70´s "House Martins dos Santos" in Cascais, is currently for sale. With five bedrooms, four bathrooms, spacious indoor areas and a swimming pool, this may be the dream home for someone (I did not care a whit move there!)



 
Imagens da moradia nos anos 70
 
Projecto - Manuel Tainha
 
Imagens da moradia actualmente



Aqui ficam as notas do autor:


“Esta casa nasceu em luta contra o sítio. O que é, à sua maneira, uma forma de o aceitar e de ter com ele uma relação pratica e sensível.
Prédios, casas, muros por todos os lados, cenário quase tão dramaticamente agressivo como o dos dias de Billy Lohman (Morte de um caixeiro viajante, Arthur Miller, 1949).
Lote reduzido (780 m²) e ainda por cima num buraco.
Da Natureza: só o céu.
Dinheiro: pouco.
Depois, os regulamentos: percentagem de ocupação, índice de ocupação, alturas, afastamento aos limites, etc., etc.
A adversidade tem, por vezes, efeitos surpreendentes. Apercebi-me, às tantas, de que não só na Matemática mas também na Arquitectura o menos por menos pode dar mais. Na luta contra a adversidade, a fealdade do entorno da casa, forjou-se a razão poética da sua arquitectura.
Possivelmente, até com mais força e tensão do que nos paraísos terrestres das crónicas “on the rocks”.
Cada caso gera a sua própria teoria e acção.

A casa de Cascais constrói-se sobre três paradoxos e um preceito.

Paradoxo I – Do pequeno se faz grande. Sendo pequena em termos reais de área e de tamanho, a casa “é” maior por via da multiplicidade e variedade dos espaços e ambientes, por dentro e por fora também. Pois aqui o espaço exterior não é mero espaço residual, sobejante da casa (…). Pelo contrario, o exterior é prolongamento arquitecturado da casa (…).
A unidade da casa está implícita na constância da matéria (betão) e da cor.

Paradoxo II – O que a casa não encontra lá fora deve procurá-lo dentro de si. Sendo a paisagem em redor do lote aquilo que é – um caos – o que há a fazer é virar-lhe as costas e construir uma paisagem interior à sua escala e medida.

Paradoxo III – O “buraco” do terreno é ponto e contraponto da casa. Devidamente tratado em pátio relvado, ele é o elemento regulador da composição do lote, em planta, corte e elevação.
Isto é bem visível no piso térreo: as salas abrem-se e continuam-se tão completamente por esse plano de relva (…).

Preceito – Se não consegues ver por cima da cabeça dos outros, põe-te em bicos de pés ou puxa um escadote. Por isso mesmo se concebeu a cobertura da casa como terraço. É o único sitio de onde se desfruta o distante: a baía, o mar, a Serra de Sintra.
Abaixo dele só o próximo, muito próximo.”*


* in Projectos – Manuel Tainha 1954/2002


Imagens: Sothebys e Projectos – Manuel Tainha 1954/2002

10 comentários

  1. http://www.remax.pt/121021140-17

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro obrigada pela informação :)

      Eliminar
  2. Pode ver imagens actuais da casa aqui http://project-arq.blogspot.pt/
    visitei a casa este mês (agosto 2013) para a minha tese de mestrado, é fabulosa.
    Recomendo a sua visita, enquanto não é vendida (possivelmente a chineses):(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela dica, vou tentar visitar. Acha mesmo que há possibilidade de ser vendida a chineses? Só esperemos que quem a comprar saiba o valor arquitectónico que tem.

      Eliminar
    2. No dia em que a visitei, ia ser vista por interessados chineses! espero que não tenha sido vendida (desabafo meu). De qualquer modo expressei o meu desejo aos proprietários actuais e iniciais que quem a adquiri-se a soube-se manter e ter orgulho na obra como eles têm tido. Se quiser visitar posso lhe fornecer o contacto da proprietária, são pessoas super-acessíveis.

      Eliminar
  3. Aqui pode ver imagens actuais da casa http://project-arq.blogspot.pt/
    Visitei a casa este mês e é fabulosa, recomendo a sua visita.

    ResponderEliminar
  4. a foto da escada está invertida (rodar 180º - sexta foto a contar do fim), o mesmo já sucede no livro de onde foi tirada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem toda a razão Paulo! Já rodei a foto, obrigada :)

      Eliminar
  5. Será que me pode indicar a morada?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Leonardo, infelizmente não sei a morada.

      Eliminar

Instagram